Zine Pasárgada
foi um Fanzine cultural e educacional que se propôs divulgar os mais diversos tipos de expressões artísticas e os mais variados assuntos.

O jornal Pasárgada teve 3 edições impressas e distribuídas na cidade de Piracicaba/SP e está guardado, junto com outras idéias, no limbo da falta de tempo e dinheiro.

O blog retomou a proposta do Zine e abriu espaço para diversidade de idéias e de expressões.

Hoje o blog acompanha o jornal e as atividades estão encerradas.

Foi uma grande satisfação ser um dos amigos do Rei.

Fábio

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Se o sinhô não ta lembrado...


"Caramba, os amigos do rei não escutam música brasileira, não?"


Clássicos. Sempre os clássicos. Não se tornam clássicos à toa, tem que ter classe.
Sou um preconceituoso linguístico assumido, prezo pelo bom português. Mas o português correto é sempre necessário? Sinceramente, os erros dos Demônios da Garoa são o grande diferencial, é o que faz desse grupo o maior clássico da música popular brasileira, e Adoniran Barbosa um dos maiores compositores desse país, pois tem a linguagem popular.
Eles estão no Guinness Book Brasileiro como o grupo vocal mais antigo ainda em atuação. Desde 1940 até hoje. Já com uma certa fama nas rádios paulistas desde o início, o grande sucesso veio com as composições de Adoniran Barbosa. Homem simples de São Paulo, com seu português nada correto compôs grandes sambas, até hoje muito lembrados e cantados por gerações. Ou alguém aqui não sabe cantar Trem das 11? Um trem que realmente existia, e realmente ia para Jaçanã. Ruim é saber que Adoriran, o compositor, não morava lá. Era apenas uma licença poética. O bairro foi parar na música porque rima com "manhã", e Adoniran achava o nome bonito.
Adoniran era uma pessoa que adaptava a vida para a sua arte. Arnesto, que se chamava Ernesto, nunca furou a roda de samba. "Se não tem mancada, não tem samba", justificou o compositor. Um dia ele encontrou seu amigo Mato Grosso, que, triste, contou que o prédio que morava seria demolido para fazer uma outra construção mais moderna. Assim nasceu a Saudosa Maloca, um palacete assobradado onde moravam Adoniran, Mato Grosso e o Joca. Por mais que revolte a indiferença na época que a política de São Paulo tinha com sua arquitetura, na contra mão das grandes cidades europeias que as mantiveram para a identidade da cidade, a música não pode ser considerada como de protesto, afinal, quando Mato Grosso quis gritar, por cima ele disse "os hómi ta com a razão, nois arranja outro lugar", mas só se conformaram quando Joca falou "Deus da o frio, conforme o corbertô".
Porém, Iracema pode sim ser considerada uma música de protesto. Iracema morreu atropelada por uma máquina, pelo "progréssio", como diria o próprio compositor. Música composta a partir de uma nota de jornal, Adoniran construiu toda uma história de uma mulher (que não era assim, uma Amélia, porque essa sim era mulher de verdade) que morreu as vésperas de seu casamento. Há quem diga que, na verdade, isso foi uma história para parafrasear sua própria vida, de uma mulher que o abandonou, e "morreu" pra ele.
Tiro ao Álvaro e As Mariposa são os símbolos maiores do português "rebelde" do compositor. E em todas as músicas, a marca inconfundível do violão de 7 cordas de Ventura Ramirez no arranjo das músicas dos Demônios da Garoa.



* Trem das Onze conquistou também a Itália.
* Só eu achei que o arranjo da Elis Regina para a Saudosa Maloca acabou com a música?
* Falando em 5ão Paulo...

6 comentários:

Patrícia Olandini disse...

Nossa, mandou muito bem! Tirando sua última frase sobre São Paulo... rs.

Herdei o gosto por causa de meu pai. Nunca me esqueço da sua emoção em cantar "Trem das Onze". Aliás, não só com essa música, mas com várias! Até hoje, rs.
E me dá uma nostalgia, tbm não sei explicar o pq! Muito bom!!! :)

Thiago dos Santos disse...

Adorei o post, realmente mandou 95% bem, só não foi melhor pela última frase sobre o São Paulo mesmo.

kkk

Nós merecemos, pode sacanear mesmo, cinco é forçar demais.

=)

Maria Fernanda disse...

e viva a variação linguística na MPB ;)

Natália disse...

Post adorável!
E isso inclui a referência no final! =P

Fábio disse...

Adoniran pra mim é o maior sambista do país!
Gênio, do melhor tipo de gênio, aquele que dá nó na educação, nas regras, nos rótulos... e, mesmo errado, sem educação, fora do padrão, ainda assim tem que ser reverenciado por todos (até pelos que são contra)como gênio!

Belo post, clássicos sempre são mais bem quistos!

E, Adoniran era Parmerense, num era?
Acho que ele iria rir do frango do Ceni! ehehehe

Rodrigo Almeida disse...

Boa Proparoxitono!
Nunca escutei um disco inteiro do Adoriram. Gosto de apreciar a “obra”. Ouvir as músicas do lado A e depois o B. Sinceramente não aguento mais escutar “O trem das 11” . Queria ouvir outras músicas dele.
Por falar em clássico, acabei acabei de baixar um CD do Cartola, é muito bom.