Zine Pasárgada
foi um Fanzine cultural e educacional que se propôs divulgar os mais diversos tipos de expressões artísticas e os mais variados assuntos.

O jornal Pasárgada teve 3 edições impressas e distribuídas na cidade de Piracicaba/SP e está guardado, junto com outras idéias, no limbo da falta de tempo e dinheiro.

O blog retomou a proposta do Zine e abriu espaço para diversidade de idéias e de expressões.

Hoje o blog acompanha o jornal e as atividades estão encerradas.

Foi uma grande satisfação ser um dos amigos do Rei.

Fábio

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Quem é você?

Há algum tempo tenho pensado sobre o comportamento das pessoas e sobre o meu próprio.
E pode botar aí nesse "algum tempo", alguns anos.
Repensado minha formação humana, incluindo religiosidade, cultura, orientações.

Nesse processo, consegui um novo relacionamento com a minha família, uma nova postura religiosa (ou não religiosa) e uma constante crescente (existe isso?) ideológica.

Hoje admito mudar, repensar, demorar, errar... acho que isso tem muito a ver com meu amadurecimento cronológico, já que nesse ano completo meus 30 (apesar de na Idade Interior eu ter só 26, viu Talita?).

Mas e daí?
Pois, olhar para o comportamento do outro, ao mesmo tempo que olho para o meu, faz com que exista a possibilidade de comparação.
E aí você se compara com aquela pessoa que você pensa ser um babaca! Vê nela o que você antes também fazia, vê nela o que você nunca fez, vê nela o que você nunca fará.
E se compara aquela pessoa que você acha um cara exemplar, percebe nela coisas que você quer fazer, coisas que você ainda não fez mas fará... e coisas que você também não quer fazer, por que esse cara as vezes também é um pouco babaca (como você).

Perceber o crescimento, a mudança, a "evolução"... perceber que você ainda vai mudar muito e que, as pessoas ainda vão mudar também.
Ajuda a não julgar, ajuda a não desmerecer o outro e principalmente não desmerecer você mesmo (eu mesmo no caso).

Mas que porra é essa Fábio?

Me motivei a escrever sobre isso por duas coisas, a primeira, um vídeo, do filósofo brasileiro (como ele mesmo se denomina) Mário Cortella (@MarioCortella). Nesse vídeo, Cortella fala sobre as pessoas que usam o "Você sabe com quem está falando?", que é tão comum em nosso cotidiano, não é?
Vejam o vídeo e a aula do Mario:

Sabe Com Quem Está Falando? from Santos Idag on Vimeo.


Ou seja, não somos muita coisa, certo?
Sei que, por estarmos em um país de formação cristã, somos costumeiramente forçados a crer que o ser humano é a pica das galáxias da criação e que Deus está em função de nós. Depois de algum tempo, acredito que essa é uma concepção equivocada de Deus e também de nós. Esse processo de pensar assim me fez deixar de me autodenominar "cristão", por perceber que para mim o Deus cristão não fazia sentido (apesar de eu achar que Cristo faz sentido).

Aí, nesse antropocentrismo narcisista (gostaram dessa?) que vivemos, temos a ideia de que somos o centro de tudo. E, pior, alguns além de acharem os seres humanos o centro de tudo, se acham o centro dos seres humanos.

Falei sobre isso rapidamente no post sobre o "Aquecimento Global", que eu não acredito existir (pelo menos nos moldes que apresentam).

O ser humano se acha muita coisa e vive com esses parâmetros. E alguns seres humanos sentem-se superiores a outros causando sofrimento aos demais. Superiores por conta da cor da pele, do gênero, da acumulação de bens, da acumulação de saberes ou conhecimento, da posição geográfica, da orientação sexual, por não portar alguma deficiência, por opção religiosa, etc.

Mas então...

Então que deveríamos entender que somos só parte e não tudo. Com relação à natureza (para destruir e preservar), com relação aos nossos semelhantes (que também fazem parte da natureza) e conosco.

Somos parte do problema, parte da solução...parte do todo. Em alguns casos, parte importante. Na maioria das vezes, parte insignificante.
E já que somos pequenos, fugazes, passageiros, essa pequena parcela de interferência de cada um, poderia ser mais expressiva não é?
Pra que tanta preocupação? Tanto preconceito? Pra que egoísmo e acumulação desmedida?

Nesses poucos anos (a Terra tem cerca de 4,6 bilhões de anos e você só vai viver até os cento e poucos no máximo!) poderíamos doar mais! Doar mais sangue, agasalhos, alimentos, trabalho voluntário, sorrisos, abraços, cordialidade, amizade, afeto...

Poderíamos avançar mais, acolhendo, julgando menos, acreditando mais. Denunciando mais o que está errado, se revoltando mais com injustiças, protestando e agindo contra as mazelas que ainda nos atacam.

É difícil demais, mas é possível.
Milton Santos, geógrafo, filósofo e exemplo de ser humano, morreu acreditando na humanidade. Ele dizia que a humanidade ainda não estreou, dizia que ainda estamos nos ensaios da humanidade. Mas com a fé que Milton Santos tinha na humanidade, dizia que essa estreia estava próxima.

Pois bem, finalmente o segundo motivo que me fez escrever tudo isso...uma foto.
Não sei se é verdadeira, mas é bem possível que seja.

Essa imagem mostra grãos de areia, vistos em um microscópio. Uma beleza grandiosa em algo tão minúsculo.

Pois é isso mesmo! Somos menos que grãos de areia se comparados com a imensidão do universo, mas, ainda assim, podemos ser belíssimos. Fazer diferença, mudar.
Tanta gente boa, gentil, honesta. Tanta gente que é exemplo e que, as vezes é meio babaca, por que, assim como você, é só um pequeno ser humano.
Como diz o comercial da Coca-Cola (se tem algo que eles sabem fazer é comercial), os bons ainda são maioria.

E aí, vamos estrear essa humanidade? Nem que seja uma estreia pessoal, acho que já é possível.

Se der pra trocar o "Você sabe com quem está falando" por um "por favor", já é um avanço grandioso (mesmo para alguém tão pequeno).

.

A satisfação, essa sim é enorme.
.

4 comentários:

Méle Dornelas disse...

Muito bom o texto Fábio! Ta inspirado, né? :)

e verdade, qt de beleza há em nós e qt tão pouco explorado.

Beijos!

Ju Villacorta disse...

Ow Fábio, que lindo! =D

Esse Fábio, definitivamente, não é o mesmo que vive em Recife. Se apresenta pra nós quando voltar, blz?! ;P

Texto bom, e vamos sim tentar mostrar o quanto podemos ser belos e uteis para esse mundão de meu Deus.

Beijo!

Fábio disse...

Juu, não se engane, eu ainda sou o mesmo! AHAHAHAHA

Não vou deixar vc trocar as músicas da lista das festas! ¬¬

=*

Patrícia Olandini disse...

Ju, são os ares do interior!!! hahaha
Menino, que lindo! A foto tbm é maravilhosa, e até vou roubá-la pro meu blog!

:)