Zine Pasárgada
foi um Fanzine cultural e educacional que se propôs divulgar os mais diversos tipos de expressões artísticas e os mais variados assuntos.

O jornal Pasárgada teve 3 edições impressas e distribuídas na cidade de Piracicaba/SP e está guardado, junto com outras idéias, no limbo da falta de tempo e dinheiro.

O blog retomou a proposta do Zine e abriu espaço para diversidade de idéias e de expressões.

Hoje o blog acompanha o jornal e as atividades estão encerradas.

Foi uma grande satisfação ser um dos amigos do Rei.

Fábio

segunda-feira, 9 de maio de 2011

[fan] zine






Estréio minha participação no Zine Pasárgada falando um pouco sobre o que é como se constitui o [fan]zine, gênero que é o “lugar”, o “suporte” deste blog.

O termo fanzine surgiu da junção de duas palavras inglesas: fanatic magazine, “revista de fanático”. É uma publicação despretensiosa, eventualmente sofisticada no aspecto gráfico, não seguindo um padrão estético (como em uma revista), textos e imagens se misturam e se sobrepõem. Com o surgimento de blogs, redes sociais e com o fácil acesso a esses novos meios de comunicação, o fanzine aparece na rede também, se tornando ainda mais barato (muitas vezes, com custo zero) e com a possibilidade de englobar ainda mais leitores.

CURIOSIDADES:
•Os primeiros fanzines foram produzidos por fãs de ficção científica nos EUA em 1930
•No Brasil, inicialmente, o fanzine estava associado aos folhetos de cordel por terem formatos parecidos.
•O primeiro fanzine nacional com as características que o definem atualmente foi criado em 12 de outubro de 1965 pelo piracicabano Edson Rontani. O Boletim Ficção teve tiragem de 300 exemplares, distribuídos gratuitamente pelo correio, era datilografado e impresso em mimeógrafo.

É interessante pensarmos em qual contexto escrevemos e lemos. Fiz essa pequena apresentação do fanzine exatamente para provocar essa reflexão e, também, a título de curiosidade.

*A imagem acima é um fanzine com uma breve história do Pasárgada, ele tem características de um impresso, porém, há na rede, zines que reproduzem esse aspecto gráfico de colagem, sobreposição, “bagunça” etc..
Quando o Pasárgada era um zine impresso, ele não era assim, mas poderia ser.

Um comentário:

Fábio disse...

uhuuuul

muito bom Fernanda! =)

aí SIM hein?!