Zine Pasárgada
foi um Fanzine cultural e educacional que se propôs divulgar os mais diversos tipos de expressões artísticas e os mais variados assuntos.

O jornal Pasárgada teve 3 edições impressas e distribuídas na cidade de Piracicaba/SP e está guardado, junto com outras idéias, no limbo da falta de tempo e dinheiro.

O blog retomou a proposta do Zine e abriu espaço para diversidade de idéias e de expressões.

Hoje o blog acompanha o jornal e as atividades estão encerradas.

Foi uma grande satisfação ser um dos amigos do Rei.

Fábio

quarta-feira, 18 de maio de 2011

A esquecida do Cinema




Por estarmos mais habituados a ler imagens do que a ler sons, quando vamos ao cinema, nosso foco, na maioria das vezes, é o que vemos e não o que ouvimos.
A trilha sonora tem, quase sempre, um papel secundário quando o assunto é esse ou aquele filme, mas por que é, então, que quase sempre saímos do cinema com o tema-canção do filme na cabeça? Por que imagem e som caminham juntos. A trilha sonora tem tanta importância quanto seu correspondente visual, uma completa a outra para que os efeitos desejados pelo diretor sejam (hipoteticamente) alcançados.
Mesmo na época do cinema mudo, orquestras, pianistas e outros músicos criavam canções que eram executadas no momento em que os filmes eram projetados. O próprio Charles Chaplin compunha trilhas sonoras para acompanhar suaas projeções, tamanha era sua preocupação em relação aos sigficados que o filme teria com ou sem determinadas músicas.

Não é à toa que, muitas vezes, quando nos lembramos de determinado filme, o primeiro elemento que nos vem à cabeça é a música que o marcou:
Nos Embalos de Sábado à Noite (1977) fez da canção “Stayin’ Alive” - Bee Gees um clássico, Dirty Dancing – Ritmo Quente (1987) consagrou “The Time of My Life” - Bill Medley e Jennifer Warnes, assim como Titanic (1997) com “My Heart Will Go On” - Celine Dion, entre muitas outras, marcaram produções cinematográficas.

Deixando de lado as canções já consagradas pelo cinema (e que todos conhecem), temos, abaixo, cinco filmes atuais que, a meu ver, tem trilhas sonoras marcantes e tão importantes quanto os próprios filmes:

Le fabuleux destin d'Amélie Poulain (O Fabuloso Destino de Amelie Poulain – 2001, Jean-Pierre Jeunet)– Todas as canções do filme foram compostas por Yan Tiersen e são, igualmente, maravilhosas e facilmente reconhecíveis em qualquer lugar.

(500) Days Of Summer (500 Dias com Ela – 2009, Marc Webb)– “US”, Regina Spektor. O filme conta com uma trilha sonora que vai de The Smiths à Carla Bruni, mas a canção mais marcante é esta da Spektor, quando se ouve, não tem como não se lembrar de Tom querendo Summer desesperadamente.

La science des Rêves (Ridiculamente traduzido para “Sonhando Acordado” no Brasil – 2006, Michel Gondry) – “I Sing, I Swim”, Seaber. Não foi à toa que o filme ganhou o prêmio UCMF de melhor trilha sonora em Cannes.

Eternal Sunshine of the Spotless Mind (Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças – 2004, Michel Gondry) – “Everybody's Gotta Learn Sometimes” interpretado por Beck. Joel: I can't see anything that I don't like about you. Clementine: But you will! But you will. You know, you will think of things. And I'll get bored with you and feel trapped because that's what happens with me. Joel: Okay. Clementine: [pauses] Okay.

Into the Wild (Na Natureza Selvagem – 2007, Sean Penn) – A trilha sonora foi composta por Eddie Verder, vocalista do Pearl Jam. Dispensa comentários.

E para você? Quais são as canções mais marcantes do cinema?




Maria Fernanda - SOM ALTERNA e .poegrafar

6 comentários:

Ju Villacorta disse...

Nossa, arrazou!
Olha, eu sou uma amante absoluta da trilha do "Le fabuleux destin d'Amélie Poulain", é trilha sonora para muitos momentos da minha vida. =)

Mas já que você pergunta quais canções me marcaram no cinema, eu vou de um Brasileiro: "Lisbela e o Prisioneiro", todas as músicas da trilha são belíssimas, algumas são releituras que ficaram (na minha opinião)ainda melhores que as versões originais. Vale a pena dar uma conferida.

Parabéns pelo post.
o/

Maria Fernanda disse...

Nossa, é mesmo! Me esqueci de Lisbela e o Prisioneiro que tem uma trilha maravilhosa! Adoro tb..
e Amelie.. sem comentários, né?! o Yan esteve por aqui na Virada Cultural do ano passado, foi lindo!
=)

Fábio disse...

Yan Tiersen em Piracicaba e de grátis! Devia ter mais disso...

Ah Fernanda, que coisa mais linda esse post! Muito bom, mesmo, muito bom!

Eu sempre lembro da música cantada por Carlitos no filme "Tempos modernos", sabe aquela que ele canta no final, qdo tá trabalhando de garçon? Aquilo foi um protesto do Chaplin, pouca gente sabe... mas é demais.

Outras, como bom Nerd que sou, são as de Star War (a inicial e a do Império do Mal) a do Super-Homem e a do Rock Balboa. Nesse caso, acho que as trilhas são tão marcantes que nunca ficarão esquecidas. Sempre ouço eu me emociono =p

E, a mais divertida trilha sonora, na minha opinião, é a de "Escola de Rock", é delirante! =D

Maria Fernanda disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Maria Fernanda disse...

=]
Fabinho, eu ia falar exatamente desses dois filmes, mas eles já estão consolidados qdo o assunto é trilha sonora.. resolvi inovar! hahaha mas Rock Balboa não tem uma alma no mundo que não conheça...
Não lembro da do "Escola de Rock", vou procurar pra lembrar! =P

julia disse...

hehehe.. e seu post prova que a trilha sonora, portanto, NÃO É a esquecida do cinema!!!!!