Zine Pasárgada
foi um Fanzine cultural e educacional que se propôs divulgar os mais diversos tipos de expressões artísticas e os mais variados assuntos.

O jornal Pasárgada teve 3 edições impressas e distribuídas na cidade de Piracicaba/SP e está guardado, junto com outras idéias, no limbo da falta de tempo e dinheiro.

O blog retomou a proposta do Zine e abriu espaço para diversidade de idéias e de expressões.

Hoje o blog acompanha o jornal e as atividades estão encerradas.

Foi uma grande satisfação ser um dos amigos do Rei.

Fábio

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Dia do Agricultor – Experiências de sustentabilidade no semiárido

Em homenagem ao dia do agricultor - 28 de julho – resolvi trazer casos exitosos e que contemplam histórias de luta e dedicação de agricultores e agricultoras do sertão e agreste pernambucano. Esses trabalhadores são o grande exemplo de que a agricultura pode gerar frutos, girar uma economia, estabelecer a cidadania e o protagonismo rural e ainda estimular a esperança de se conviver com dignidade no semiárido.

Responsabilidade social e ambiental, criatividade, determinação e otimismo recheiam o histórico de vida de cada agricultor descrito aqui na postagem. Eles representam os cerca de 13 milhões de brasileiros que se dedicam ao trabalho no campo e movimentam 70% do mercado alimentício nacional.

Com o apoio de instituições que incentivam a convivência sustentável no semiárido, como a Articulação no Semi-Árido Brasileiro(ASA Brasil), a vida de vários agricultores passou a tomar novos rumos, garantindo a continuidade do trabalho no campo e redobrando as esperanças de agricultores e agricultoras.

A Construção de um Novo Caminho no semiárido

No povoado de Pindoba, em Alagoinha, os moradores descobriram uma nova forma de viver bem com o trabalho no campo. Através da Associação Comunitária de Agricultores e Artesãos do Povoado de Pindoba, os agricultores da região começaram a ver impactos positivos em seu meio através do trabalho no campo e da produção de arte.

Nas terras de Pindoba, existem diversificados tipos de plantações, porém, o principal produto é o milho. Essa cultura aparece como fundamental não só para a alimentação das famílias, mas serve como matéria prima para a confecção do artesanato local. Com a intervenção da Articulação no Semi-Árido (ASA), a comunidade local pode fortificar sua produção. Isso porque em 2010 o povoado foi beneficiado com um tanque de Pedra, melhorando o acesso a água, o que estimulou o cultivo da agricultura.

Os quarenta e cinco integrantes da Associação local, entre homens, mulheres e jovens, dedicam-se a agricultura ou ao artesanato, e até mesmo aos dois ao mesmo tempo. Bolsas de variados modelos, bonecas, luminárias, flores, mesinhas de centro, revisteiros entre outros produtos de palha são confeccionados a partir da cultura do milho e já participaram de diversas Feiras de Artesanato nacional e estadual, como a Fenearte. E essa abrangência não se restringe apenas ao mercado brasileiro, o trabalho do povoado de Pindoba já chegou a países como Portugal, Itália e Alemanha.

“A agricultura e o artesanato são o que temos de melhor e espero continuar com eles”, comenta o presidente da Associação Comunitária de Agricultores e Artesãos do Povoado de Pindoba, Lorival Alves dos Santos. Os dois ofícios caminhando juntos na região trazem uma nova perspectiva para a produção agrícola, mobilizam toda uma comunidade e colocam o semiárido como referencia internacional. Daqui para frente Seu Lorival só tem espaço para o otimismo: “A gente sempre espera que o futuro seja melhor, porque se a gente for pensar em um futuro pior, vai andar pra trás”.

Outro caso que merece destaque é o de Rubiana de Melo Brito. Ela é um claro exemplo do protagonismo juvenil na agricultura. Com apenas 20 anos, a jovem é presidente da Associação dos moradores do Sítio Simião, em Venturosa, e integrante de alguns projetos sociais na comunidade.

Diferente de muitos jovens que se mudam para capitais em busca de uma vida melhor, Rubiana possui um olhar diferenciado e vem se dedicando cada vez mais às suas hortaliças e pés de frutas que futuramente ainda pretende comercializar. Essa determinação começou depois que a agricultora ingressou no Programa Uma Terra e Duas Águas da ASA, em 2010.

A família de Rubiana foi beneficiada com uma Cisterna Calçadão e outra de 16 mil litros. Além das tecnologias, um importante fator para seu desenvolvimento agrário foi a participação da jovem em intercâmbios de conhecimento junto a outros agricultores, proporcionados pela Articulação. Assim, ela pôde conhecer uma nova agricultura, uma agricultura sustentável.
Os novos conhecimentos fizeram com que a jovem ajudasse de maneira concreta a família no campo, gerando cada vez mais produtos e contribuindo co
m o meio ambiente. Esse zelo ambiental ela faz questão de propagar dentro de sua comunidade, conscientizando os outros moradores sobre a responsabilidade com a terra.

Rubiana está construindo seu papel como jovem protagonista no semiárido. Atuante e transformando a sociedade onde vive, a jovem destaca-se por sair do lugar comum e já sabe o que quer: “Daqui a vinte anos quero estar trabalhando no campo, em uma propriedade maior e com uma produção cada vez melhor”. Assim, Rubiana firma-se como uma esperança na agricultura familiar, no semiárido, no Brasil e na vida de muitas pessoas.

Assim como em Alagoinha e em Venturosa, o Sitio Periperi em Buíque também traz um interessante caso da agricultura familiar. Na região mora Sonia Maria Barbosa Manzo. A terra da agricultora é recheada de plantações diversas, em tamanho, cores e gostos. A trabalhadora de 39 anos começou a desenhar uma nova forma de aperfeiçoar sua produção no campo, respeitando o meio ambiente, a saúde de sua família e integrando um ciclo sustentável no semiárido.

Chegar hoje à propriedade de Sonia é deparar-se com plantações verdes e ricas, mas essa vista só tornou-se real há alguns anos. Antes, a rotina era difícil no Sítio Periperi, os moradores precisavam caminhar cerca de 10 quilômetros em busca de água. Mas em 2004, Sonia conheceu a Articulação no Semi-Árido (ASA) e através do projeto Uma Terra e Duas Águas, foi beneficiada com uma Cisterna de 16 mil litros e em 2009 com uma barragem subterrânea.

A partir dos novos mecanismos de captação de água das chuvas, a agricultora passou a produzir e criar plantações antes não existentes em seu espaço. A nova perspectiva de utilização da água redobrou sua motivação para os afazeres no campo. As culturas abastecem a mesa da família agricultora e há três meses também servem na comercialização e no sustento da casa.

A parceria com o meio ambiente também apareceu de maneira forte. A extinção do uso do agrotóxico em suas produções é o retrato da conduta sustentável que Sônia leva em seu trabalho. A agricultora substitui o nocivo veneno pela urina do gado e pela manipueira, o que garante a qualidade da cultura que ela produz. “A gente só vai plantar coisas saudáveis aqui”, diz satisfeita. Essa atitude também faz com que suas plantações vivam e cresçam cada vez mais e com qualidade.


Outra ação que contribui para seu trabalho e para o meio ambiente é a forma como ela reaproveita as plantas mortas de seu território. A cultura que não floresce mais é utilizada como adubo para as outras plantações, evitando as queimadas e também otimizando os espaços no território o que permite um manejo adequado da terra, impedindo o desmatamento e combatendo a desertificação.

Com água de qualidade e alimentação saudável, Sônia promove o ciclo sustentável dentro de seu território. Dessa forma, sua família e a comunidade de Malhada Branca integram as boas perspectivas para a agricultura familiar, vivendo de seu excedente e alimentando-se de suas esperanças cada vez mais saudáveis.

Rubina, Lorival e Sonia representam diversos trabalhadores e trabalhadoras rurais que seguem na luta por uma agricultura sustentável, saudável e que renda frutos para suas famílias, suas comunidades, o dia a dia no semiárido e para o Brasil. Incentivar e buscar políticas públicas que priorizem essa camada da população é pensar na sustentabilidade do processo agrícola, que respeita o meio ambiente e que chega à casa de milhões de brasileiros todos os dias. A agricultura familiar pode integrar o ciclo sustentável no Brasil, criando novas alternativas e incentivando outros setores, integrando assim o desenvolvimento social, ambiental e econômico de todo o país.

Confira mais fotos no meu flickr.

Conheça o trabalho da ASA Brasil: www.asabrasil.org.br

Méle Dornelas

Também escreve para: Escrivaninha, Sala de Cinema e Conversa de Botequim

2 comentários:

Fábio disse...

Coisa mais linda isso!

Eu já era fã de Rubiana, só pelas suas histórias Méle...

E, meio ambiente é um assunto delicado demais. Há muita frescura no debate desse conceito.

De toda forma, estou convencido que esse trabalho é bom para os agricultores e para o povo que vive nessas comunidades. Isso é muito bom!

Viva os homens e mulheres do campo!
=D

Méle Dornelas disse...

viva, via, Fábio!