Zine Pasárgada
foi um Fanzine cultural e educacional que se propôs divulgar os mais diversos tipos de expressões artísticas e os mais variados assuntos.

O jornal Pasárgada teve 3 edições impressas e distribuídas na cidade de Piracicaba/SP e está guardado, junto com outras idéias, no limbo da falta de tempo e dinheiro.

O blog retomou a proposta do Zine e abriu espaço para diversidade de idéias e de expressões.

Hoje o blog acompanha o jornal e as atividades estão encerradas.

Foi uma grande satisfação ser um dos amigos do Rei.

Fábio

sexta-feira, 12 de março de 2010

Cartunista Glauco é assassinado em Osasco/SP



Na madrugada de hoje, foi assassinado o cartunista Glauco e seu filho Raoni, de 25 anos.

Essa brutalidade que nos levou mais um grande artista deve ser punida, mas o que faremos com a insegurança e a possibilidade de que ocorra novamente, com qualquer pessoa?

E os outros tantos casos que ocorrem sem parar em SP?

É preciso uma discussão urgente sobre a segurança pública paulista que vai de mau a pior.
Nosso governador, que pela lei é o responsável pela segurança, está fazendo campanha eleitoral pelo Brasil...
Estava em Salvador e em Recife no carnaval e agora viaja pelo interior do estado.

Alguma preocupação com os casos?
Ele ainda quer ser presidente do país.

Não, obrigado.
.
.

Publico aqui algumas manifestações e homenagens ao grande Glauco. Para ver todas as homenagens acesse o Blog do Universo HQ.

.


.

Conselho Consultivo do Salão Internacional de Humor de Piracicaba

A violência em São Paulo, mais uma vez, mata e empobrece a cultura brasileira. Aos 53 anos, no auge de sua produção artística, morre assassinado por assaltantes em sua casa o cartunista paranaense Glauco Villas-Boas.

Glauco, como era conhecido, foi descoberto pelo jornalista José Hamilton Ribeiro, então diretor do Diário da Manhã, em Ribeirão Preto, interior paulista. Lá começou a publicar suas tiras cômicas.

Mas foi na 4ª edição do Salão Internacional de Humor de Piracicaba, em 1977, ao conquistar um dos prêmios, que Glauco foi projetado no cenário artístico brasileiro e internacional. Com seu imenso talento, criatividade, estilo único e, em especial, humor inteligente baseado no comportamento da nossa sociedade, que Glauco saltou, ainda no mesmo ano, para as páginas da Folha de S.Paulo.

Em 1984, a mesma Folha abriu espaço diário para a nova geração de cartunistas brasileiros. Glauco estava entre eles e, assim, ficou conhecido em todo o País. Surgiram seus principais personagens: Geraldão, Zé do Apocalipse, Dona Marta, Doy Jorge, Casal Neuras, Geraldinho e outros.

Multimídia, também era músico e se apresentava em bandas de rock. Integrou a equipe de redatores do TV Pirata e do TV Colosso, programas da TV Globo. Publicou livros de humor.

Em plena Era Digital, Glauco continuava fiel à prancheta, desenhando à mão com nanquim. Usava o computador apenas para colorir os trabalhos, depois de escanear cada um deles.

Glauco registrou, a cada momento, as transformações pelas quais passou o mundo, o Brasil. Era um profundo conhecedor e critico da alma humana, mas sempre de maneira bem-humorada, provocando reflexões.

O Brasil e o mundo perdem um de seus maiores cartunistas.

Restam, diante de mais esta tragédia, as perguntas:

- Senhores governantes, até quando?

- Quantas vidas ainda faltam para que seja colocado um basta na violência?

Ricardo Viveiros e Zélio Alves Pinto, respectivamente, presidente e vice-presidente do Conselho Consultivo do Salão Internacional de Piracicaba

.



.



.
as artes publicadas são de Ed Carlos Joaquim, Alan Corrêa, Marcos Miller e Rafael Rosa, retirados do Blog do UHQ.

Um comentário:

miranda.quel disse...

continuo lendo! sempre muito bom, e, agora, triste tb! =/