Zine Pasárgada
foi um Fanzine cultural e educacional que se propôs divulgar os mais diversos tipos de expressões artísticas e os mais variados assuntos.

O jornal Pasárgada teve 3 edições impressas e distribuídas na cidade de Piracicaba/SP e está guardado, junto com outras idéias, no limbo da falta de tempo e dinheiro.

O blog retomou a proposta do Zine e abriu espaço para diversidade de idéias e de expressões.

Hoje o blog acompanha o jornal e as atividades estão encerradas.

Foi uma grande satisfação ser um dos amigos do Rei.

Fábio

sábado, 9 de maio de 2009

Mãe



Fiquei lembrando da minha mãe hoje para escrever esse texto... e claro, chorei.

Esse "fiquei lembrando" merece explicação, afinal eu sempre lembro da minha mãe (e também do meu pai, irmã, irmão, primos, tios e sobrinhos que amo tanto), mas dessa vez me pus a pensar coisas que eu poderia falar sobre ela por ocasião do dia das mães.

Lembrando de algumas eu ri.
Como quando eramos crianças ainda e minha mãe, "do nada", nos lascava um beliscão e sem saber direito o porquê do castigo, eu ficava resmungando e tentando adivinhar o que tinha feito de errado.

Ou nas ocasiões em que ela compra um monte de coisas e chega em casa cheia das sacolas dizendo: "Fui gastar!"

E até quando ela vem contando alguma história que ela presenciou, mas de tanto rir, ela não conta quase nada e a história fica sem ter o menor sentido.

São tantas as pessoas que ela já chamou de "manézão" que é preciso perspicácia para saber se ela está xingando, tirando sarro, ou apenas chamando mesmo, sem nenhum motivo especial...

E tem as caipirinhas, "vinhozinhos" (especialmente no frio) ou as cervejinhas que ela de vez em quando toma vendo novela... e depois dorme antes da novela acabar!

Como ela gosta de assistir um bom filme! Mesmo que tenha aqueles comerciais enormes no meio e só termine muito tarde da noite (tipo meia noite).
E quando eu não estou junto, ela conta no outro dia o filme em detalhes, não poupando nem mesmo o final.

Pipoca salgada, suspiro, miojo com bastante caldinho, sorvete de palito com aquela casquinha de chocolate, milho cozido, cural, paçoquinha, pé-de-moleque, uma laranja depois da refeição... tantas coisas que ela gosta...
E não foram poucas as vezes que ouvi ela dizendo: "Que vontade de comer 'isso'!" ou simplesmente: "Tô com vontade de comer um doce!"

Minha mãe é fantástica!

Mulher inteligentíssima. Mesmo sem formação convencional, na escola ou na faculdade, ela esbanja sabedoria.

Não houve dia em que minha mãe me dissesse: "Leva blusa" e o tempo não esfriasse.
Não houve ocasião em que minha mãe me dissesse: "Leva o guarda-chuva" que não chovesse.

Ela é a coordenadora das equipes de rua da paróquia de Santa Clara, perto de onde moramos.
Mais de 10 bairros, e todos os eventos da Igreja Católica realizados nas casas (como novenas de Natal, Páscoa, terços, Campanhas da Fraternidade, etc.) passam por suas mãos.
Foi coordenadora do Dízimo, de equipes de Liturgia, foi ministra da Eucaristia e da Palavra, Catequista, Missionária... é líder reconhecida. Se deixa de ir a uma reunião todos sentem sua falta (porque ela faz mesmo muita falta).
E como tem reunião! Pelo menos umas duas por semana. Isso quando não são cinco ou seis.

A maior gratidão e dívida que eu tenho com a Igreja Católica é essa, pois dão o valor que ela merece...mesmo simples, mesmo sem "estudos", recebeu responsabilidades e tarefas as quais cumpriu com maestria e eficiência, provando sua competência e habilidade sem igual.

Minha mãe é a mulher mais forte que eu conheço.
Por quantos perrengues já não passou... quantas dificuldades, dúvidas e dívidas...
Sempre de cabeça erguida, sempre enfrentando (mesmo que as vezes reclamando um pouco)...

Foram poucas as ocasiões em que vi minha mãe chorar... me lembro de algumas marcantes, justamente por que eu fui o motivo do choro.

A primeira delas, quando ainda pequeno e tive uma doença complicada.
Depois de me levar em uns três médicos diferentes, não apresentava melhora. Minha mãe não se deu por vencida e me levou em um médico que disse a ela que meu caso era grave e que provavelmente teria que ser internado e fazer um tratamento complicado. Mesmo sem ter certeza disso o médico me encaminhou para um especialista que viria a confirmar tudo dizendo: "Vamos correr e levar esse menino agora pro hospital! Não pode esperar mais nem um minuto!"

Minha mãe chorou.
E ainda foi repreendida pelo médico que disse: "Não chore! Você vai assustar seu filho assim!"
Como se ele já não tivesse me assustado o suficiente com a frase anterior...
Médicos! Os "doutores", tão cheios de sabedoriam que nem mesmo se solidarizam com coração de uma mãe!

Na segunda, já "homem feito", lá vou eu mais uma vez ficar perto da morte.
Minha mãe chorou muitas vezes...
Tive uma complicação com minha apendicite e por conta disso fiquei 15 dias de cama e 11 dias no hospital.
Eu sempre queria que minha mãe pensasse que estava tudo bem, então eu escondia a dor, a angústia de imaginar minha morte tão próxima e a falta de esperança crescente por conta de não melhorar, apesar de tanto medicamento, cirurgia e tudo mais.

Em uma das visitas, eu estava com dificuldades para falar e fiquei mudo. Tentava sorrir e gesticular, mas ela não se sentia satisfeita.
Percebeu então que eu estava mal e correu desesperada pelo corredor do hospital chamando a enfermeira.
Eu estava com dificuldades para respirar devido a um inchaço no meu intestino que pressionava o sistema respiratório.
As providências foram tomadas e eu melhorei.
Mais tarde a enfermeira veio me dizer que com mais algum tempo naquela situação eu teria uma parada cardíaca, que pra mim, naquele momento, seria provavelmente fatal.
Minha mãe havia salvado minha vida, mais uma vez.

A mais recente foi quando estava vindo morar no Recife.
Ela me confortou o tempo todo, me dando força por conta do meu visível abatimento em sair de casa e deixar tudo para trás.
Ajudou a arrumar minha mala, comprou coisas pra que eu trouxesse pra cá, incentivou o acerto de minha vinda para a casa em que estou morando...
Me levou ao aeroporto e no portão de embarque me abraçou e chorou.

Ela não sabe, mas eu me segurei, a confortei... mas depois chorei. Quase quatro horas de vôo chorando. Não por mim, mas por vê-la chorar por mim.

Quando liguei pra casa, avisando que estava em Salvador aguardando a conexão, conversei com uma mulher forte novamente. Mostrando-se feliz pela viagem ter dado certo.

Amanhã eu vou ligar pra ela.
Não me lembro de ter passado algum dia das mães longe dela, será o primeiro.
Quando estiver falando com ela, vou deixar claro que logo vou abraçá-la de novo e que ela faz muita falta, justamente porque ela é engraçada, inteligente, sensível, forte e minha heroína. Porque ela é minha mãe.

Dona Cleide da Silva Paiva, eu te amo.

12 comentários:

Thiago dos Santos disse...

Poxa, arrasou...
Merece ser mandada neste momento para ser publicado no JORNAL DE PIRACICABA, GAZETA E TRIBUNA...
Acho que vai fazer ela chorar mais uma vez...
A saudades faz bem meu amigo, principalmente porque vem acompanhada de batalhas e conquistas.... abração....

Maria Mercedez Amaranta disse...

Que coisa mais bonitinha! =)

Criss Paiva disse...

como esse meu primo escreve bem, né? manda um beijo meu pra tia, que eu já admiro sem conhecer! toda mãe merece o título de rainha do lar mesmo.. as mães, os pais que são mães, as avós que são mães.. pq mãe não é uma condição biológica, mas um lema de vida. como diria o Cazuza, só as mães são felizes.. e feliz dia das mães pra mim tb!

Anônimo disse...

OI MEU PRIMO IRMÃO LINDO...

VC É DEMAIS...

NOSSA QUE TEXTO MARAVILHOSO...

QUE JESUS ILUMINE SEMPRE VC!

O MELHOR PRESENTE QUE UMA MÃE PODE

TER É UM EXEMPLO DE FILHO COMO VC!

BJSSS....

Louan disse...

Cara, eu entendo muito bem como é foda morar longe da mãe, e de fato, a maior dor não é você sofrer, e sim vê-la sofrer.
Mãe é algo inexplicável!

pesquisa disse...

Falei com vc e nem postei, né?
Adorei mesmo, viu!!
Mas na moral: tu é a cara do teu pai!!

Falta pouco pra vc dá mts xerus nela... Menos de dois meses.

Bárbara

Agnes disse...

Que lindo , Fá =)

Alessandra disse...

Então, Fabio, impossivel não chorar, né? Até porque já perdi a minha e ó: pra ficar bem claro, quem tem mãe tem tudo. As mães têm um talento natural para amar e é por isso que elas são felizes mesmo (falo de carterinha, né?). E mais, a culpa é sempre delas! Pro mal ou pra bem, claro. E hoje os parabéns é pra mãe do Fábio, D. Cleide, por esse filho talentoso, generoso, criativo, bonito e bom que ela ajudou a ser inteiro! Apesar de não ter mais a vesícula, ou foi o apêndice??? ahahahah!! Bjs

Thais! disse...

Só pra reforçar o que a Alessandra disse aí em cima.. "Quem tem mãe, tem tudo"
e é só.

Feliz dia das Mães, pra todaas elas.

Miúda disse...

Ai Fábio, me fizesse chorar. =x
Depois desse texto eu vou achar que os meus textos nunca serão tão bons quanto esse.

Parabéns pela mãe linda que você tem.
E fica bem, nesse dia sem ela (por perto). Tb já passei esse dia sem a minha por perto, e sei como é. =x

No mais, estamos por aqui pra um abraço, viu?! Eu sei que feito o de mãe é impossível, mas de amiga tb é bom. ;)

..
*

Maria Fernanda disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Maria Fernanda disse...

mãe é uma das imagens que mais me intrigam no mundo..
elas são pessoas dotadas de sabedoria, sensibilidade, amor e alegria (para mim, o sentimento mais lindo).. como elas conseguem tudo isso? não sei, mas é reconfortante pensar que a gente, onde quer que esteja, sempre terá alguém pensando em nós..
sua mensagem foi linda.. sua mãe deve deve ser feliz por ser sua mãe =]