Zine Pasárgada
foi um Fanzine cultural e educacional que se propôs divulgar os mais diversos tipos de expressões artísticas e os mais variados assuntos.

O jornal Pasárgada teve 3 edições impressas e distribuídas na cidade de Piracicaba/SP e está guardado, junto com outras idéias, no limbo da falta de tempo e dinheiro.

O blog retomou a proposta do Zine e abriu espaço para diversidade de idéias e de expressões.

Hoje o blog acompanha o jornal e as atividades estão encerradas.

Foi uma grande satisfação ser um dos amigos do Rei.

Fábio

terça-feira, 31 de maio de 2011

Terça-Feira: véspera do Futebol - 4

Aê manolada (Manolas e Manolos), tudo em paz?

De volta com o Terça-Feira, véspera de futebol, uma tentativa de te mostrar alguma coisa pra fazer na noite em que não tem futebol na TV (e não tem nada que preste, mas isso não é só na terça, enfim...)

Cá estou para fazer vocês perderem algumas horinhas dessa noite.

Mais uma vez inspirado pelo @AnoesEmChamas , coloco aqui conteúdo do blog deles, juntando o que eles chamam de "Curando o Tédio", uma série de jogos on-line. A diferença para outros jogos, é que esses são bem simples, mas não menos divertidos.

Vamos lá:


O primeiro (aqui) , é um jogo "musical". Basta clicar nos quadradinhos da imagem para compor seu som mecânico. É divertido uma, duas, três... não mais que isso, depois irrita! Mas, vale a pena brincar um pouco =)

O segundo (aqui), é um dos meus favoritos! Não é aconselhável a "moralistas" ou aqueles que acreditam que jogos violentos fazem mal para as pessoas (pff). É um jogo bem simples, de disputa de gatilho (qual o gatilho mais rápido?). Você escolhe seu atirador e joga com o mouse. Basta posicionar na direção de onde quer o tiro e atirar com o botão esquerdo (clicando). Depois de pegar a manhã, fica muito legal. Bônus para acertar as garrafas hein? =D

O terceiro, que eu também gosto muito, é um de carro (aqui). A diferença é que é um jogo de carro com ZUMBIS! Seu objetivo e dirigir entre zumbis, atropelando, pegando moedas e tudo mais! Muito divertido! =)
Os comandos são as setas do teclado (pra frente, correndo sempre). Cuidado com o combustível.

Para "amenizar", um jogo nada violento. O curve ball (aqui), que é um jogo antigo, mas que está repaginado. Basta usar o mouse, mexendo e clicando quando a bolinha tiver perto. Depois de umas 3 jogadas você já vai conseguir criar estratégias de jogo (eu demorei umas 4, talvez você consiga na primeira, o gênio!) =)

Finalizando, vou linkar aqui um jogo "geográfico", que eu gosto muito (cof, cof).
Também muito simples de jogar, apenas com o mouse. Você será testado em seus conhecimentos dos lugares e dependendo de como se sair, vai passando de fase! O jogo está aqui!

E chega por hoje.
Bom futebol pra vocês amanhã! =)
Torçam pelo SANTOS, há!

.

é sempre uma satisfação.

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Estréia com Super Banda


Deixem eu me apresentar: Edson Vinícius, paranaense, estudante de direito, conhecido do Fábio de algum lugar obscuro da internet. Convidado pra escrever nessa maravilhosa Zine, vejo uma oportunidade de voltar a escrever. Obrigado pela chance.
John Lennon foi o vocalista e guitarrista, Eric Clapton guitarrista, Keith Richards, que embora seja guitarrista dos Rolling Stones de profissão e pai de pirata nas horas vagas*, assumiu o baixo, e Mitch Mitchell, baterista da banda The Jimi Hendrix Experience, estava com as baquetas da banda. Essa banda era The Dirty Mac.
Não, realmente não foi exatamente uma banda de verdade. The Dirty Mac fez uma única apresentação, no especial Rolling Stones Rock and Roll Circus, comandado pelo pé-frio Mick Jagger (deve ser por isso que foi a única apresentação), que foi ao ar na TV inglesa em 1968. Escolheram tocar o bom e velho blues na apresentação, a primeira música foi Yer Blues (White Album), dos Beatles. Os outros Beatles que me perdoem, mas a versão Dirty Mac ficou espetacularmente mais maravilhosa.
Mas nem só de Mick Jagger se fizeram as trevas da Super Banda. Yoko Ono, aquela (insira um palavrão de sua preferência aqui), estava lá marcando presença. A música foi Whole Lotta Yoko, que também participou o violinista Ivry Gitlis. E a maravilhosa letra consistia, literalmente, apenas em gemidos. Bem, estamos no Planeta Terra. Aqui, nada é perfeito. Quer prova maior que essa?
Um encontro desses jamais poderia passar em branco. Isso é arte, é história! Não poderia começar escrevendo sobre qualquer coisa, né?

*Pra quem não lembra, Keith Richards interpretou o pai do Jack Sparrow, no filme Piratas do Caribe 3

@proparoxitono

domingo, 29 de maio de 2011

Filme de domingo: "Lluvia"

Fico aqui pensando como o inesperado quase sempre nos confronta, e ai ficamos meio sem saber o que fazer, extasiados, encantados, apaixonados e todos esses adjetivos que podem o acompanhar.

Lhuvia é um filme que consegue adaptar esse inesperado ao encontro de um homem e uma mulher, em um cenário chuvoso, atribulado, inesquecível. O longa da cineasta Paula Hernandez retrata em cores sóbrias, especialmente as de tom azul, o desenrolar dessa história cheia de pausas e misturas de sensações. O casal desconhecido passa a dividir sentimentos, sons, gestos...a vida. Antes, perdidos em seus mundos e em seus pensamentos, passam a se reencontrar no encontro com o outro.

Estabelecem diálogos envolventes e muitas vezes densos, mas que nos prendem e nos sensibilizam diante de seus contos familiares e que muitas vezes caem na vontade de deixarem tudo para trás...e quem nunca quis? O roteiro não-linear é um estímulo a mais para a contemplação do filme.

A fotografia merece um parágrafo à parte. O Belo e o simples juntos (quase) sempre funcionam. Com Lhuvia não só deu certo, como fez muitas cenas óbvias perderem essa desqualificação. Cenas que poderiam virar quadros, daqueles que a gente não sabe a hora de parar de olhar...

O Filme Argentino fez parte do 37º Festival de Cinema de Gramado, em 2009. No evento, tive o prazer de compor o júri popular e pudemos eleger esse como o melhor filme estrangeiro para ganhar o kikito pelo nosso corpo.

Vi alguns comentários que ele está para chegar no Brasil. Sei com toda certeza que passará em Porto Alegre, mas, infelizmente, não consegui achar nada sobre sua chegada em Recife. Espero que o nosso Cinema da Fundação nos presenteie com esse belíssimo longa metragem.

Para não perder o costume: o trailer

Méle Dornelas

Escrevo para os blogs: Escrivaninha, Sala de Cinema e Conversa de Botequim

sábado, 28 de maio de 2011

O sorriso de Vitória


Local e data: Praça Gomes Freyre, Mariana, Minas Gerais.
Por: Natália Gonçalves
Mais olhares de Natália AQUI

sexta-feira, 27 de maio de 2011

1984

Por Rodrigo Almeida




Olá amigos do Rei!

Sou um bibliotecário brasileiro. Exercer essa profissão nesta terra tupiniquim onde se lê, em média, menos de 2 livros por ano é o meu maior desafio. Minha revolução é silenciosa e minha vitória não será por acaso.
Por falar em revolução, nas últimas semanas vocês devem ter acompanhado a repressão policial em São Paulo, onde no último dia 21 de maio a polícia dispersou a bala uma manifestação que pedia a legalização da maconha. Tenho muito a dizer sobre a legalização ou não dessa droga, mas neste momento há algo mais importante a ser discutido: liberdade de expressão.

Não há mais ditadura no Brasil, vivemos em um Estado democrático, mas a censura nunca deixou de existir. Um exemplo claro disso foi a demissão do jornalista Heródoto Barbeiro da TV Cultura (subsidiada pelo governo de São Paulo). O mesmo foi demitido depois que falou mal das obras (atrasadas) do metrô de São Paulo.

Quanto mais longe dos livros estivermos, mais perto de sermos alienados e manipulados estaremos.

Atualmente grande parte da população “se informa” por meio da televisão. Se informa, entre aspas, porque são informações desencontradas, que só confundem os telespectadores. O Partido da Mídia Golpista (PMG) brasileira informa de forma tendenciosa, seguindo sempre os interesses de seus patrocinadores. Essa situação me faz lembrar do livro 1984, onde o autor George Orwel descreve com perfeição como uma sociedade é facilmente manipulada. O livro conta a história de Winston, um jovem que vive aprisionado na engrenagem totalitária de uma sociedade completamente dominada pelo Estado, onde o direito individual não existe. Quem está com o controle é o “BigBrother” que vigia e controla por meio da televisão, rádio e jornais.

Seria ilusão esperar que a televisão brasileira contribuísse para o desenvolvimento cultural das pessoas. Pois um povo com senso crítico e politizado não perderia 1 hora por dia da sua vida assistindo novelas.

Se você ainda não leu 1984, o e-book você baixa AQUI . Mas se você é saudosista e prefere o “papel”, pergunte ao bibliotecário da biblioteca mais próxima da sua casa (se bem que estamos no Brasil, acho difícil ter uma biblioteca próximo da sua casa) ou então compre na Saraiva ou Livraria Cultura.

Boa leitura.


Rodrigo Almeida é uma traça disfarçada de bibliotecário e está no blog "Minha Opinião" e no Twitter @bibliotecariosp

Elephant. Sim, você já viu esse filme antes


Sinopse: Um dia aparentemente comum na vida de um grupo de adolescentes, todos estudantes de uma escola secundária de Portland, no estado de Oregon, costa oeste dos Estados Unidos. Enquanto a maior parte está engajada em atividades cotidianas, dois alunos esperam, em casa, a chegada de uma metralhadora semi-automática, com altíssima precisão e poder de fogo. Munidos de um arsenal de outras armas que vinham colecionando, os dois partem para a escola, onde serão protagonistas de uma grande tragédia.
*
No dia 07.04.2011, Wellington Menezes de Oliveira, 23 anos, entra numa Escola Pública no Rio de Janeiro e é, também, protagonista de uma tragédia parecida.
*
Elephant (BR: Elefante) é um filme norte-americano do diretor Gus Van Sant, 2003.
No Festival de Cinema de Cannes do mesmo ano, Gus Van Sant ganhou o prêmio de Melhor Realizador e o filme foi o vencedor da Palma de Ouro.

Filme arte que não deixa a desejar nos aspectos fotografia, narrativa e enredo. Inspirado (e apenas inspirado) na Tragédia de Columbine, não tem compromisso com fatos, mas sim com as possíveis relações entre os alunos que, sem imaginarem, teriam o mesmo fim.
Gus Van Sant trouxe à tona questões puramente comportamentais e com sua câmera perseguiu patricinhas, jogadores de futebol e excluídos, mostrando que para algumas situações suas condições sociais não fazem a mínima diferença.
O título do filme é instigante e permite várias interpretações. Para mim é uma referência à fábula “Os Cegos e o Elefante”.


Eu diria que é um filme de nosso tempo. Quando soube da tragédia em Realengo (RJ) não pude deixar de pensar: “Putz, aquele cara assistiu Elephant.”. Nunca saberemos.
Não só eu, como outras pessoas pensaram a mesma coisa, lendo a revista CULT deste mês me deparo com a matéria “A era da turbulência” que fala exatamente desses conflitos juvenis bem distantes dos das “Patricinhas de Beverly Hills”, muito mais reais e atuais. O artigo não trata apenas de Elephant, mas, também, de outros filmes que levantam as questões da juventude fora do padrão teen.

O filme vale por si, apenas, mas consegue ir além e “invadir” nosso cotidiano.
"Coincidências" à parte.. estaríamos, realmente, na era da turbulência?


SOM ALTERNA e .poegrafar

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Amor Além da Vida

Fotos: Internet (google imagens)
Sinopse:

Chris Nielsen, Annie e seus filhos consideram-se uma família feliz. Mas de forma inesperada os filhos morrem num acidente e Annie, em especial, fica muito abalada com o acontecimento.
Quatro anos depois, eles retomam as suas vidas, mas de novo a família é abalada pela morte de Chris num acidente e a sua alma vai para o Paraíso. Chegando lá começa a ter várias surpresas agradáveis, infelizmente depois de alguma alegria, ele fica a saber que a sua mulher Annie, desesperada pelo seu sofrimento, tinha cometido suicídio, e por isso os seu familiares não poderiam nunca mais se encontrar.
Chris vai então, em busca dela em uma jornada espiritual baseada na descrita por Dante Alighieri em sua obra mais famosa A Divina Comédia , mesmo a saber que ela não o reconhecerá. Mas como ele sempre dizia a todos da família "nunca desista" chegou a hora de pôr em prática, desta forma tendo o filme um final surpreendente.

Elenco:
• Robin Williams .... Chris Nielsen
• Cuba Gooding Jr. .... Albert
• Annabella Sciorra .... Annie Nielsen
• Max von Sydow .... seleccionador / rastreador
• Jessica Brooks Grant .... Marie Nielsen
• Josh Paddock .... Ian Nielsen
• Rosalind Chao .... Leona
• Lucinda Jenney .... sra. Jacobs
• Maggie McCarthy .... Stacey Jacobs
• Wilma Bonet .... Angie
• Matt Salinger .... reverendo Hanley
• Carin Sprague .... Cindy

Principais Prêmios e indicações:

Oscar 1999 (EUA)
• Venceu na categoria de melhores efeitos especiais.
• Indicado na categoria de melhor direção de arte.

Satellite Awards 1999 (EUA)
• Venceu na categoria de melhores efeitos especiais em cinema.

Curiosidades:

• Na cena em que Chris vai para a cidade no Paraíso, há várias pessoas voando, e entre elas estão Peter Pan, Wendy e Mary Poppins.
• A mãe do diretor é uma das pessoas que estão voando na biblioteca.
• A trilha sonora original foi composta por Ennio Morricone; entretanto, ela foi rejeitada após alguns testes na tela, e nenhuma explicação para a rejeição foi dada pelo diretor ou pelos produtores.

Nota do Baú:

Uma lição de amor. No filme somos convidados a refletir sobre o amor de um Marido por sua Esposa, após os desastres ocorridos, o suícidio de Annie, que aliás seria bastante polêmico religiosamente, mas o ponto forte fica na entrega de Chris Nielsen em resgatar sua esposa, quando todos dizem ser impossível. Mais uma vez show de interpretação do GIGANTE Robin Williams.
Uma História linda, um filme que realmente devemos ter em nossa coleção particular de Filmes, para ver e rever muito!!! 
Realmente como falou um amigo, É PURA ARTE, PINTADO NA TELA DO CINEMA!
Bom filme, muita pipoca!

Estamos aqui sempre nas quintas!

Ilê Axé Abassá de Ogum e a Intolerância Religiosa

Por Ronaldo Almeida


Iyalorixá Gildásia dos Santos e Santos – a Mãe Gilda, foi a Sacerdotisa do Ilê Axé Abassá de Ogum, moradora e fundadora deste Terreiro de Candomblé localizado próximo da Lagoa do Abaeté no Bairro de Itapuã em Salvador - BA. Mãe Gilda tinha uma vida discreta desde o ano de 1996 quando fundou o terreiro, iniciando sua prática religiosa naquele local.
Mãe Gilda exercia suas práticas religiosas cotidianamente e sua Casa era frequentada por adeptos moradores da comunidade, como também por aqueles oriundos até de outros estados.

A saga do Abassá de Ogum iniciou quando sua fundadora resolveu participar das manifestações públicas e populares pela reivindicação do impeachment do então presidente da república brasileira, Fernando Collor de Mello. A campanha ficou conhecida como o ‘Fora Collor’, na década de 1990, e contou com a participação ativa de milhares de cidadãos brasileiros em todo o território nacional contendo diversas expressões, das mais variadas vertentes populares e/ou governamentais, como forma de demonstrar a insatisfação com a situação e garantir a destituição do presidente. Tudo muito divulgado na imprensa, com ampla cobertura na mídia televisiva, escrita e nas demais formas de comunicação.

Entretanto, foi a forma de expressão da Mãe Gilda eleita pela Iurd – Igreja Universal do Reino de DEUS para atacar o povo do Candomblé na sua crença e manifestação prática da sua religiosidade.

Em 1992 a revista Veja publicou uma matéria, em que aparecia uma foto de Mãe Gilda, trajada com roupas de sacerdotisa, tendo aos seus pés uma oferenda como forma de solicitar aos orixás que atendessem às súplicas daquele momento. E em outubro de 1999 a Iurd publicou essa fotografia no jornal Folha Universal, para a ilustração de uma reportagem sobre charlatanismo, sob o título: “Macumbeiros charlatões lesam o bolso e a vida dos clientes”. A matéria afirmava estar crescendo no País um “mercado de enganação”. Nesta reportagem, a foto da Mãe Gilda, aparecia com uma tarja preta nos olhos. A publicação dessa foto marca o início de um doloroso, porém definidor processo de luta por justiça da família e de todos os religiosos do Candomblé.

A repercussão foi tão grande que a Folha Universal tinha na época uma tiragem de 1.372.000 unidades, ampla e gratuitamente distribuídas. Assim sendo, inevitavelmente a comunidade local tomou conhecimento da reportagem e, por uma falta de compreensão do que estava acontecendo, integrantes da comunidade interpretaram que a Mãe Gilda havia se convertido e estava pregando contra sua religião, pois sua foto estava naquele veículo. Qual a consequência disso? O descrédito e afastamento de fiéis! E mais: dada a fragilidade do momento, adeptos de outras religiões sentiram-se no direito de atacar diretamente a casa da Mãe Gilda, agredindo-a e ao seu marido, verbal e fisicamente, dentro das dependências do Terreiro, até quebrando objetos sagrados lá dispostos.

Mãe Gilda não suportou os ataques diante destes fatos, com a saúde fragilizada, seu estado piorou e ela veio a falecer no dia 21 de janeiro de 2000.

Sua filha, Jaciara Ribeiro dos Santos, moveu uma ação contra a Iurd, por danos morais e uso indevido da imagem. KOINONIA – Presença Ecumênica e Serviços, através de seus advogados passaram a representar a família em uma ação, por meio da assessoria do Programa Egbé Territórios Negros. O falecimento de Mãe Gilda se deu no dia seguinte em que assinou a procuração constituindo seus advogados para defender o caso, em clara expressão do seu desejo por reparação.

Inicialmente no Município de Salvador e posteriormente, no Governo Lula, foi instituído, em homenagem a Mãe Gilda e sua luta, o dia 21 de janeiro como o Dia Nacional de luta contra a intolerância religiosa. Data em que pessoas de diferentes credos, raças, etnias, sexo celebram mais um passo a favor da dignidade humana para compartilhar caminhos que possibilitem o enfrentamento a essa vergonha, que se alastra de forma ampla, geral e irrestrita: a Intolerância Religiosa. Esta forma nefasta de impedir a livre expressão religiosa, individual e coletiva, garantida por lei é desrespeitada por vários setores da nossa sociedade. Inclusive por instituições religiosas que, apesar de pregarem princípios de amor ao próximo, solidariedade e respeito, não estão devidamente preparadas para responder a esse desafio, e acabam por demonstrar preconceitos e descriminar a partir de posturas institucionais, como o caso de Mãe Gilda, que hoje serve de inspiração e símbolo de luta para todos nós.

Em 2004, cinco anos depois do início do processo, a Iurd foi condenada em primeira instância, ficando estabelecido o ganho de causa da ação de Mãe Gilda. A sentença, favorável à ação indenizatória
Em apelação na segunda instância – Tribunal de Justiça da Bahia – pela Igreja Universal e sua gráfica, o processo ficou sem resposta até maio de 2005, quando o povo do Candomblé realizou um ato público em frente ao Tribunal de Justiça da Bahia para reivindicar agilização da decisão do tribunal.
Em 6 de julho do mesmo ano, saiu a decisão sobre o caso: o Tribunal de Justiça da Bahia julgou e condenou, por unanimidade, a Igreja Universal do Reino de Deus por danos morais e uso indevido da imagem da Iyalorixá Mãe Gilda
Após 9 anos de luta e diversas mobilizações públicas reivindicatórias do desenrolar do processo, no dia 16 de setembro do ano de 2008, saiu a decisão da 3ª instância: o Superior Tribunal de Justiça confirmou, também por unanimidade, a condenação da Igreja Universal do Reino de Deus.

A sentença representou um ganho político e social sem precedentes na história do País, que vem reafirmar os direitos garantidos pela constituição brasileira da liberdade de expressão e contra qualquer tipo de discriminação. É uma vitória de um povo que, historicamente, sofreu e ainda sofre este e outros tipos de preconceito; que mesmo depois de cessadas as perseguições policiais ainda continuava sem liberdade de expressão religiosa.

Ronaldo Almeida é representante de setoriais de defesa da liberdade religiosa, membro do movimento negro e religioso do Candomblé.

quarta-feira, 25 de maio de 2011

O duplo sentido do inocente



Hoje me peguei pensando o quanto os desenhos representam para mim. Desde criança "perdi" muitas horas na TV com desenhos animados. Até hoje na idade adulta continuo perdendo.

Me refiro aqui não só aos desenhos animados, mas aos quadrinhos e as figuras de livros (infantis ou não); aos desenhos coloridos e os em preto e branco; aos desenhos com falas ou os mudos; aos pedagógicos ou os de "humor negro".

Sempre achei que todos possuíam (e ainda possuem) uma essência, a qual pode ser adquirida e compreendida da forma que se achar melhor.

Gosto do contraste que ele tem do mais inocente desenho infantil que leva o conhecimento e o desenvolvimento às crianças, aos contos de fadas que são estudados pela Psicanálise pois envolvem casos de neuroses até transtornos de personalidade. É desse duplo olhar pelo qual me sinto envolvida.

Atualmente, sinto que somos "privilegiados" por esse leque que nos oferece tantas opções para instigarmos a nossa imaginação e também o elo que possui com nossa subjetivação.

Na arte encontramos muitas características da vida, as quais muitas vezes passam despercebidas. Ou  simplesmente estão ali para nos divertir.

Um dos mais queridos para mim (embora tenha muitos para citar) é a animação do Snoopy da turma do Charlie Brown criado por Charles Schulz. Sempre achei uma audácia um cachorro que se senta na mesa de um bar, toma um chopp e ainda é sarcástico com os seres humanos.

Todos eles, desde super-heróis à vilões, ou personagens completamente inofensíveis estão na sua memória e fazem parte da sua história, pois a infância é algo que, irredutivelmente, é carregado com você e sempre será.

Abç... Patrícia ( Blog | Twitter )

terça-feira, 24 de maio de 2011

Terça-Feira: véspera do Futebol - 3

Queridos, dessa vez o "Terça-Feira" chegou tarde (de novo).
Dia corrido, cansativo e a noite, metade na sala de aula, metade no busão =/

Bom, já que não vai servir para alegrar a noite monótona do dia depois da segunda-feira, vou dar só uma dica, que serve para todos os dias e para muitas situações.

A dica é a "ESTANTE VIRTUAL", um site que reúne o acervo de muitos Sebos de todo o Brasil.


A descrição do site diz muito mais do que eu poderia dizer (ou tentar):

"A Estante Virtual foi criada há cinco anos com o objetivo de disponibilizar tecnologia de comércio eletrônico para a comunidade de sebos e livreiros. E o que aconteceu foi uma verdadeira revolução na forma de comercialização de livros usados no nosso país.

O portal reuniu, em uma mesma estante, o acervo de centenas de sebos e leitores - que também podem colocar seus livros à venda, criou um sistema de busca e compra de livros usados inédita na internet brasileira e contribuiu para a informatização e, consequentemente, para uma melhor organização dos sebos."

Ou seja, vale muito a pena mesmo. Tem livro pra caramba, de tudo e a maioria em ótimo estado.
Não substitui uma ida aos Sebos, descobrindo e curtindo as velharias, mas ajuda muito, ficou muito mais prático.

Além disso tudo, o PREÇO!
Os valores são muito menores que das livrarias (como em todo Sebo).

E é isso...

É sempre uma satisfação, mesmo de terça-feira!
=)

Desenho.

Nos pequenos traços, surgem grandes desenhos.


Desenho é uma forma de manifestação da arte, o artista transfere para o papel imagens e criações da sua imaginação. É basicamente uma composição bidimensional (algo que tem duas dimensões) constituída por linhas, pontos e forma. É diferente da pintura e da gravura em relação à técnica e o objetivo para o qual é criado. O desenho é utilizado nos mais diversos segmentos profissionais, tornando a arte diversificada a diferentes contextos.
Existe o desenho de projetos, onde é trabalhada toda estrutura e detalhe de uma construção, há também o desenho de composição pictórica, quando o artista expressa no papel situações que estão ocorrendo em tempo real, esse tipo de desenho é bastante utilizado em tribunais durante julgamentos, em que a presença de câmeras fotográficas ou algo do gênero não é permitida, os desenhistas tentam retratar de forma mais real possível todos os momentos e detalhes do julgamento, para que quando outras pessoas olharem o desenho tenham a sensação de que estavam presentes na cena.
Há desenhos simples onde é empregada pouca técnica e outros onde a sofisticação se faz presente. Atualmente, existem cursos técnicos e superiores direcionados ao desenho, quando são trabalhados todos os seus aspectos, criando assim profissionais capacitados na arte de desenhar.
Por Eliene Percília

segunda-feira, 23 de maio de 2011

domingo, 22 de maio de 2011

Amêndoas


Grandes olhos de madeira, por que olham para mim? (Collodi, Pinóquio)

Local e data: Sede Circovolante, Mariana, Minas Gerais.
Por: Natália Gonçalves

Mais olhares de Natália AQUI

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Atalhos

Bom dia minha gente!

Olha, nessa bela (mentira, nem tá tão bela assim) manhã de sexta-feira, resolvi trazer-lhes uma curiosidade que talvez seja útil para a maioria de vocês.
Eu não sei vocês, mas eu (e quem trabalha com softwares de programação, de diagramação...) sou levemente viciada em atalhos (de teclado), quando você já domina eles, eles facilitam muito a sua vida.
Aí essa semana, recebí o sistema de atalhos do Twitter! Se você usa esse danadinho, essa dica poderá deixar a sua vida muito mais fácil, é só pegar o jeito. \o/



Aí ó:

N: Escrever um novo tweet.


R: Responder um tweet.


T: Dar RT.


G + U: Buscar perfis de usuários.


Barra de Espaço: Fazer rolagem da página para baixo.


Barra (/): Fazer uma busca.


Ponto (.): Atualizar os tweets.


J: Descer um tweet.


K: Subir um tweet.


M: enviar mensagem (não completa destinatário automaticamente)


G + H: Abre a home do Twitter.


G + R: Abre seu perfil.


G + M: Abre as DM’s.


G + F: Abre seus tweets favoritos.


G + P: ir para o seu próprio perfil (twitter.com/seu_login)


G + U: ir para outros perfis (chama uma caixa de diálogo)


?: ver a lista completa de atalhos

Obs: Os atalhos só funcionam se você usa o twitter pelo navegador!

Um Beijinho e bom fim de semana! =*

Juliana Villacorta está aqui com seus "Problemas Miúdos"

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Grandes Humoristas - 3

Aê manolos, de novo aqui pra puxar o saco para apresentar-lhes os humoristas que eu gosto! =D

E, hoje, vou na base da nostalgia...
Começando com um grupo que fez muito sucesso nas décadas de 1970/80, se estendendo (forçosamente) na década de 1990: Didi, Dedé, Mussum e Zacarias, eram "Os Trapalhões".


Não sei se por nostalgia ou por qualidade, mas eu acho essa fase dos quatro juntos fantástica!
Me lembro de assistir aos domingos e ser fã, apesar de não entender muito as piadas.
Aliás, sobre as piadas, talvez não fizesse sucesso atualmente. Era humor e só, sem preocupações com questões politicamente corretas (dá pra perceber um pouco disso nesse vídeo).

Após a morte do Zacarias e logo em seguida do Mussum, o grupo não se manteve e o Didi (que sempre foi a "estrela" do grupo) continuou sozinho.
Acho que não preciso dizer, mas, a "Turma do Didi" está muito longe da qualidade dos "Trapalhões".


.
E, para esculachar de vez com todos os sentimentos saudosistas de qualquer um (qualquer um mesmo), está aqui mais um grande representante do humor dos anos 1980, CHAVES:

Apesar de de não ter os dois personagens que eu mais gosto (Seu Madruga e Kiko), esse é um dos meus episódios preferidos =D

Chaves é uma invenção de Roberto Goméz Bolaños, um mexicano que, além de Chaves, tinha ainda outros muitos personagens. No Brasil, os mais conhecidos são Chaves e Chapolin.

A chegada de Chaves no nosso país ocorreu por conta de um acordo entre SBT (na época TVS) e a Televisón Independiente de México. Sílvio Santos queria comprar novelas mexicanas (que praga!) e acabou trazendo de brinde, alguns episódios de Chaves... e deu no que deu!

Com piadas simples e repetições de bordões e situações circenses, o programa ainda é um xodó (ou seria chodó?) dos brasileiros. Um humor muito simples, infantil e despretensioso.
O SBT repete os mesmos episódios de Chaves há 28 anos, ininterruptamente.

.

E é isso (isso, isso, isso).

é sempre uma satisfação.

quarta-feira, 18 de maio de 2011

A esquecida do Cinema




Por estarmos mais habituados a ler imagens do que a ler sons, quando vamos ao cinema, nosso foco, na maioria das vezes, é o que vemos e não o que ouvimos.
A trilha sonora tem, quase sempre, um papel secundário quando o assunto é esse ou aquele filme, mas por que é, então, que quase sempre saímos do cinema com o tema-canção do filme na cabeça? Por que imagem e som caminham juntos. A trilha sonora tem tanta importância quanto seu correspondente visual, uma completa a outra para que os efeitos desejados pelo diretor sejam (hipoteticamente) alcançados.
Mesmo na época do cinema mudo, orquestras, pianistas e outros músicos criavam canções que eram executadas no momento em que os filmes eram projetados. O próprio Charles Chaplin compunha trilhas sonoras para acompanhar suaas projeções, tamanha era sua preocupação em relação aos sigficados que o filme teria com ou sem determinadas músicas.

Não é à toa que, muitas vezes, quando nos lembramos de determinado filme, o primeiro elemento que nos vem à cabeça é a música que o marcou:
Nos Embalos de Sábado à Noite (1977) fez da canção “Stayin’ Alive” - Bee Gees um clássico, Dirty Dancing – Ritmo Quente (1987) consagrou “The Time of My Life” - Bill Medley e Jennifer Warnes, assim como Titanic (1997) com “My Heart Will Go On” - Celine Dion, entre muitas outras, marcaram produções cinematográficas.

Deixando de lado as canções já consagradas pelo cinema (e que todos conhecem), temos, abaixo, cinco filmes atuais que, a meu ver, tem trilhas sonoras marcantes e tão importantes quanto os próprios filmes:

Le fabuleux destin d'Amélie Poulain (O Fabuloso Destino de Amelie Poulain – 2001, Jean-Pierre Jeunet)– Todas as canções do filme foram compostas por Yan Tiersen e são, igualmente, maravilhosas e facilmente reconhecíveis em qualquer lugar.

(500) Days Of Summer (500 Dias com Ela – 2009, Marc Webb)– “US”, Regina Spektor. O filme conta com uma trilha sonora que vai de The Smiths à Carla Bruni, mas a canção mais marcante é esta da Spektor, quando se ouve, não tem como não se lembrar de Tom querendo Summer desesperadamente.

La science des Rêves (Ridiculamente traduzido para “Sonhando Acordado” no Brasil – 2006, Michel Gondry) – “I Sing, I Swim”, Seaber. Não foi à toa que o filme ganhou o prêmio UCMF de melhor trilha sonora em Cannes.

Eternal Sunshine of the Spotless Mind (Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças – 2004, Michel Gondry) – “Everybody's Gotta Learn Sometimes” interpretado por Beck. Joel: I can't see anything that I don't like about you. Clementine: But you will! But you will. You know, you will think of things. And I'll get bored with you and feel trapped because that's what happens with me. Joel: Okay. Clementine: [pauses] Okay.

Into the Wild (Na Natureza Selvagem – 2007, Sean Penn) – A trilha sonora foi composta por Eddie Verder, vocalista do Pearl Jam. Dispensa comentários.

E para você? Quais são as canções mais marcantes do cinema?




Maria Fernanda - SOM ALTERNA e .poegrafar

Mary e Max II

Oi gente, eu não poderia deixar de compartilhar isso com vocês;
Na semana passada a Méle Dornelas fez um post, muito bacana, sobre esse filme (estou bem curiosa, ainda não pude assisti-lo), mas eu tenho uma priminha, bem polêmica e faladeira que fez esse vídeo, comentando a censura (de 14 anos) do filme.  




Era isso, só pensei no Pasárgada quando ví o vídeo.


Beijo.


Eu to no: Problemas Miúdos.

terça-feira, 17 de maio de 2011

Gueixa

Primeiras pinceladas com aquarela. Pois é, fase de testes e nada de perfeição... faz parte do começo! :)



  • Pincel tigre nº4
  • Lápis 2B
  • Tinta Aquarela (Kit 14 cores Pentel)

Por Talita Lana - Blog

Terça-Feira: véspera do Futebol - 2

E aí manolos?
Hoje é Terça-feira, a véspera do futebol.
Eu sei que para a maioria de vocês amanhã nem será o dia do futebol, não é? Afinal, São Paulo, Palmeiras, Flamengo, Fluminense, Internacional, Grêmio, Cruzeiro, Atlético (MG e PR), Náutico, Sport, entre outros tantos, foram eliminados da Copa do Brasil e da Libertadores (o Corinthians nem jogou a Libertadores, foi eliminado na PRÉ)...

Bom, na verdade, azar de vocês que torcem pra qualquer time!
Eu, com o SANTOS, assistirei ao futebol amanhã, como de costume (e após ser campeão sobre o time da marginal sem número, fica melhor).
Junto com os torcedores do Coxa (campeão nacional de TRUCO), do Avaí (gigante do Morumbi), do Vasco (vai ser Vice) e do Ceará (carroça desembestada que atropelou o gaúcho), vou ficar na expectativa da quarta de futebol! =D

Contudo, porém, todavia... a terça-feira é igual para todos nós! Uma chatice noturna!
Então, para tentar, muito suavemente, aplacar essa tristeza (que não tem fim, felicidade sim), aqui está o post de Terça (véspera de futebol, pra mim).

.
Para começar, recomendo a web-série "Mortal Kombat: Legacy".
É uma produção de alta qualidade, feita pela WB, para aprofundar as histórias dos personagens do game.
Para quem não sabe (hã? como assim alguém não sabe?), Mortal Kombat é um jogo de luta, que apareceu por aqui na década de 1990 e que ganhou muitas versões, sempre sangrentas, até virar filme (que é bem sem graça e virou clássico da Sessão da Tarde, mas que na época me fez delirar de emoção).

A série vai ter 10 episódios e você pode encontrar os 6 primeiros no YouTube, ou clicar AQUI e ter em uma única página, meia dúzia de janelinhas mostrando a sequência dos episódios!


.
A segunda dica é feita em dois "jabás" gratuitos (what?).
Sim, eu não recebi (e tenho quase certeza que não vou receber) nada para divulgar esse dois, mas, vale a pena mesmo assim (se quiserem pagar eu também aceito).

Primeiro, o @AdesivoLegal, que produz um monte de adesivos legais (aaaaah vá?)!
Sério mesmo. Se você pensa em deixar seu quarto ou sua sala bem legais, ou mesmo o quarto do seu filho, o escritório, sei lá, dê uma olhada nos adesivos que podem compor sua parede!


Se você é nerd então (como eu), pode ir fundo que vai delirar!
Tem muita coisa bacana mesmo, basta dar uma olhada AQUI

.
E, enquanto faz isso, pode curtir a verdadeira Rádio Rock de São Paulo, a @Kiss_FM (que pela internet chega a todo o Brasil). Clicando AQUI, você curte o bom e velho rock'n roll (Na Kiss, atrás de um rock, vem sempre outro rock) =)

e pronto!

Boa Quarta -Feira!

é sempre uma satisfação.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Um pouco de Design e bom humor.

Pra quem não me conhece, o Design é a minha ocupação/paixão, tanto que alguns amigos dizem que eu não tenho outro assunto na vida, além do Design (o que é uma mentira, o Design representa aproximadamente 85% do conteúdo das minhas conversas. =P~).

Aí hoje eu resolvi trazer-lhes um pouquinho de humor e Design. Fuçando e seguindo os muitos perfis e sites de Design, encontrei esse quadrinho que faz uma comparação, bem gracinha, de quais raças caninas algumas fontes seriam... Apreciem e comentem!

Clicka na imagem!



Bom, esperam que vocês tenham gostado.
Atá mais. o/

Mais de mim aqui.

Desconcentra-me!

Perfil da belíssima palhaça grega durante o Encontro Internacional de Palhaços, em 2009.
Local e data: Praça da Sé de Mariana, Minas Gerais.
Por: Natália Gonçalves
Mais fotos de Natália AQUI.

sábado, 14 de maio de 2011

Grandes Humoristas - 2

Queridos, aqui de novo com os "Grandes Humoristas", pro sabadão ser mais feliz (que porcaria de introdução Oo)

.
Enfim, o que interessa aqui são os vídeos, então toma:

Eddie Murphy, no stand up, e o seu texto sobre o sorvete!


.
E pra mudar um pouco de estilo, aqui vai um vídeo que eu adoro, dos fantásticos humoristas do Monthy Python, com "A piada mais engraçada do mundo".


Sobre os dois: Eddie Murphy dispensa apresentações, não é? Mas, ele é mais conhecido pelo cinema e menos pelos shows de humor.

Já os britânicos do Monthy Python, também conhecidos no cinema, são responsáveis pelos filmes: "A vida de Brian", "Em busca do cálice sagrado" (o melhor filme de comédia do mundo!) e "O sentido da Vida". Esses filmes foram lançados em DVD e Blue Ray há pouco tempo aqui no Brasil, e vale mesmo muito a pena assistir!

=D

é isso aí manolos,

uma enorme satisfação.

The Booth at the end


'The booth at the end' é uma série, disponibilizada pela Fx apenas para internet, em 65 capítulos de aproximadamente 10 minutos cada.
Se trata do que as pessoas são capazes para conseguirem o que querem.

'Um homem misterioso senta à mesa dos fundos de um café. As pessoas vão até ele com coisas que querem: um pai com uma criança doente, uma mulher que deseja ficar mais bonita, uma freira que quer ouvir Deus novamente. O homem pode fazer estas coisas acontecerem. Por um preço. Em troca do que eles querem, esses indivíduos devem sacrificar seus preceitos morais e realizar atos que normalmente seriam inconcebíveis para eles.
Roubar um banco. Matar uma criança. Detonar uma bomba em lugar público. Elas devem voltar até o homem e descrever os feitos com detalhes. Quando as tarefas dos personagens começam a se sobrepor, as complicações aparecem. Mas o homem nunca força ninguém a fazer nada. É sempre decisão delas começarem ou pararem, com uma pergunta persistente: até onde você iria para conseguir o que quer?'





Já estão disponíveis 10 capítulos no site http://mundofox.com.br








Por Thais Moretti do No Estacionamento

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Reações

Desde que @paivafabio adicionou os botões de reação, ainda não ví nenhum ousado clicar em "se fode nerdão".


Acredito eu, que as pessoas se sentem um pouco "achanhadas" (ou simplesmente não houve nenhum post para clicarem nesta opção). Então, crio este post para as pessoas aproveitarem, desabafarem e clicarem MUITO em "se fode nerdão".


:) Em breve posto mais desenhos, juro! 

Sem Vestígios


Para quem gosta e se interessa pela história do Brasil, mais precisamente pelo período da Ditadura Militar, o livro "Sem Vestígios" (2008) traz histórias importantes do início da resistência, desde a Guerrilha do Araguaia, até as manifestações nas grandes cidades. O livro é escrito baseado nos relatos de um agente secreto militar já aposentado, que decide revelar o que soube e o que viu pois diz ser muito difícil e doloroso conviver com estas lembranças. Desde acontecimentos que não foram divulgados, à fotos famosas sobre momentos importantes da luta contra a Ditadura Militar.

Há também um vídeo feito em um dossiê sobre a Ditadura pela emissora Globo News, onde o General Leônidas, responsável pelo DOI-CODI (Destacamento de Operações de Informações - Centro de Operações de Defesa Interna) do Rio de Janeiro e ex-ministro do Exército Brasileiro é entrevistado e dá a versão militar dos fatos.
 
São contrastes fortes sobre um mesmo período onde cada um tinha sua ideologia política.

Esse período ditatorial do nosso país até hoje tem grande repercussão. Ainda muitos não sabem o que realmente aconteceu com seus familiares ou amigos, devido à arquivos ainda confidenciais. Também no livro, o militar aposentado relata que a polícia não guardava provas daquilo que fazia, para que isso um dia não viesse à tona e fossem punidos. Porém, muitos oficiais por vaidade de seus atos, registraram momentos e informações que podem revelar qual o destino de militantes que sumiram, desde o Araguaia.

A OAB do Rio de Janeiro há tempos vem divulgando uma campanha de abaixo-assinado para a abertura dos arquivos. Quem se interessar, é só acessar o link, assinar e poder ajudar as famílias que ainda procuram seus entes.
CAMPANHA PELA MEMÓRIA E PELA VERDADE! http://www.oab-rj.org.br/forms/abaixoassinado.jsp

Mais informações sobre o livro:
Sem Vestígios - Revelações de um Agente Secreto da Ditadura Militar Brasileira
Autor: Tais Morais
Editora: Geração Editorial
Ano Edição: 2008
Abç... Patrícia ( Blog | Twitter )

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Terça-Feira: véspera do Futebol

Acabo de perceber que a terça-feira, salvo raras exceções, na verdade é APENAS a véspera da quarta-feira!

No meu caso, marco a terça-feira como sendo a véspera do Futebol (a rodada de quarta-feira) e só também.

Bem... isso acaba de me motivar a fazer algo pela humanidade (what?) e por isso acabo de criar essa "coluna" no blog! Terça-feira: véspera do Futebol!

A partir de agora vou tentar colocar aqui algumas sugestões para esse dia enfadonho que é a terça-feira, fazendo assim a nossa (ou minha) espera pela quarta-feira, ser menos ruim. =D

.
Começo sugerindo que você assista ao primeiro longa metragem feito para a internet, o maluco e engraçado "Teste de elenco".
No filme, alguns nomes conhecidos (como Fábio Porchat e Talita Werneck) e outros não conhecidos (alguns conhecidos apenas na internet mesmo) atuam em uma louca troca de atores e apenas dois personagens.



Esse filme é uma produção do pessoal do Anões em Chamas que é um site muito bom de humor, com muitos vídeos que vão ocupar muito bem sua terça-feira chata, inclusive com o filme na íntegra (mais de uma hora).

.
A outra dica é uma garimpada ao site de um talentosíssimo ilustrador/quadrinista de humor, o @WillLeite!
No seu site, o willtirando.com.br você vai usar muitas das horas vagas dessa terça-feira... Vasculhe lá, veja postagens antigas, vale muito a pena.
E aqui vai um exemplo:

.

E já tá bom né?
Como a terça já está no fim...

Boa QUARTA-FEIRA!
e bom Futebol!


é uma enorme satisfação.

terça-feira, 10 de maio de 2011

Mary and Max

Ela tinha oito anos, um sinal na testa e um galo como melhor amigo. Ele, quarentão, acima do peso e um amigo imaginário como companhia. Mary and Max.

Definitivamente um filme lindo, repleto de sensibilidade e de uma ironia pura misturada a um humor de traços tristes. Mary and Max entrou para minha lista de produções que eu precisaria ver novamente para me encantar mais uma vez (é, já assisti quatro vezes...). Uma animação tão humana e tão real que encantaria até o mais insensível dos seres. Muitos aplausos para Adam Elliot, que baseado em fatos de sua própria vida, dirigiu uma história de amizade entre uma garotinha australiana e um senhor americano. Uma relação escrita, de palavras, dúvidas, confiança, sentimentos. O longa é todo ele uma mistura dos opostos, sua essência é juntar o riso ao choro, a dura realidade a fantasia sonhada e o belo ao feio, que juntos se tornam na normalidade tão questionada.

E se passamos a observar a vida, Elliot nos cutuca para vivê-la da melhor forma e sem reclamar muito das nossas pequenas coisas, porque, sim, existe a dor e sem ela não existiria a felicidade.

Deixo aqui a entrevista com o diretor, Elliot explicará melhor do que eu esse filme encantador.

E só um gostinho do filme através de seu trailer.


Méle Dornelas

Escreve para Escrivaninha, Sala de Cinema e Conversa de Botequim

segunda-feira, 9 de maio de 2011

E temos todos fome de bola...

 É realmente incrível o tempo que o futebol toma do brasileiro, seja para vibrar, provocar ou criticar. Claro que todos nós já percebemos isto, mas a cada vez que torno a voltar à um estádio isso fica muito mais evidente e cristalizado.

Nos 90 minutos vemos de tudo: alegria, indignação, raiva, euforia e tudo aquilo que o futebol pode nos proporcionar, mas a emoção é inerente a todos, tanto aos espectadores quanto aos jogadores. Emoções de lados opostos, emoções distintas, porém emoções.

Uns se calam num silêncio ensurdecedor, outros gritam até sua voz virar silêncio, a paixão muda de intensidade, a opinião crítica oscila no conhecimento, a expressão muda de cara. Mas todos estão lá, no sentido duplo do entendimento. Todos estão total ou parcialmente ali, com pouca ou muita atenção, mas estão. O futebol envolve, apaixona, irrita, entristece ou alegra, mas movimenta as emoções numa engrenagem completamente ativa e intensa, até você perceber que ele te invadiu sem precisar da sua permissão.

Dedico essa publicação ao querido Esporte Clube XV de Novembro de Piracicaba que parou sua cidade no último sábado com a conquista do Penta Campeonato da série A2 e que fez a cidade inteira perceber o quanto a emoção do futebol nos invade. Time guerreiro do interior caipira que está de volta à elite do futebol paulista, merecidamente.

Abç... Patrícia. ( Blog | Twitter ) 

[fan] zine






Estréio minha participação no Zine Pasárgada falando um pouco sobre o que é como se constitui o [fan]zine, gênero que é o “lugar”, o “suporte” deste blog.

O termo fanzine surgiu da junção de duas palavras inglesas: fanatic magazine, “revista de fanático”. É uma publicação despretensiosa, eventualmente sofisticada no aspecto gráfico, não seguindo um padrão estético (como em uma revista), textos e imagens se misturam e se sobrepõem. Com o surgimento de blogs, redes sociais e com o fácil acesso a esses novos meios de comunicação, o fanzine aparece na rede também, se tornando ainda mais barato (muitas vezes, com custo zero) e com a possibilidade de englobar ainda mais leitores.

CURIOSIDADES:
•Os primeiros fanzines foram produzidos por fãs de ficção científica nos EUA em 1930
•No Brasil, inicialmente, o fanzine estava associado aos folhetos de cordel por terem formatos parecidos.
•O primeiro fanzine nacional com as características que o definem atualmente foi criado em 12 de outubro de 1965 pelo piracicabano Edson Rontani. O Boletim Ficção teve tiragem de 300 exemplares, distribuídos gratuitamente pelo correio, era datilografado e impresso em mimeógrafo.

É interessante pensarmos em qual contexto escrevemos e lemos. Fiz essa pequena apresentação do fanzine exatamente para provocar essa reflexão e, também, a título de curiosidade.

*A imagem acima é um fanzine com uma breve história do Pasárgada, ele tem características de um impresso, porém, há na rede, zines que reproduzem esse aspecto gráfico de colagem, sobreposição, “bagunça” etc..
Quando o Pasárgada era um zine impresso, ele não era assim, mas poderia ser.

Crying

  • Lápis 2B
  • Lápis Aquarelável (Faber Castel)



Por Talita - BLOG

Grandes Humoristas

Queridos,

resolvi selecionar alguns bons vídeos de grandes humoristas, para que a gente possa rir um pouco juntos...

Primeiro, o mestre Bill Cosby, falando de Avós e das mudanças que eles representam.

Vale a pena "aproveitar" a graça das expressões (com caretas, olhares, caras e bocas) desse grande humorista stand up! =D

.

E, junto do mestre Cosby, um outro mestre, esse mais conhecido aqui no Brasil (afinal, ele é brasileiro), o grande gênio Chico Anísio, numa forma de humor que não é tão comum de ser vista o stand up


e tem um monte de novos humoristas achando que inventaram o stand up, né?
.

Tenho outros vídeos na "fila", mas aceito sugestões também!

é sempre uma enorme satisfação.

domingo, 8 de maio de 2011

A Bela e a Fera


foto de Natália Gonçalves, tirada na Praça Lúdico-Pedagógica da Estação Ferroviária de Mariana/MG.
Mais fotos de Natália aqui

sábado, 7 de maio de 2011

Eu lhes trago música!

É assim, eu não sei vocês, mas eu não sei fazer NADA sem um "trilha sonora" (mentira até tem coisa que a gente esquece da música, mas com ela é sempre melhor.) ;P
Daí eu pensei que, ta faltando uma musiquinha pra felicidade desse blog, e aqui eu vou deixar dois links que estão sempre comigo (quando rola uma internet legal.) =D

O 1º é esse aqui: http://www.stereomood.com/ - Onde você escolhe o clima, ou a atividade que você ta fazendo e ele faz uma seleção de musicas bem legal, de acordo com o seu humor.
Obs: A grande maioria das musicas são gringas, mas são sempre muito boas. E você pode participar da construção desse banco de músicas infinito.

E o 2º é esse: http://grooveshark.com/ - Esse é mais pessoal, ele é um "buscador" de músicas e artistas do mundo todo, e aí você interage com o sistema, e pode compartilhar o que você ta ouvindo em qualquer rede social, além de pode criar suas próprias listas de músicas.
Obs: Você não é obrigado a criar um perfil, mas ele fica mais dinâmico quando você tem um.

Não sei se vocês já os conheciam, mas vim aqui humildemente trazer a minha contribuição ao Pasárgada.
Espero que gostem.
Para saber mais de mim, é só me procurar no Problemas Miúdos

Até mais.
Abraço.

Botão "curtir" - Facebook

À pedidos, adicionei o botão para vocês "curtirem" as publicações em seus facebooks. :)






partir de agora, quando você clicar no botão “curtir” para expressar sua aprovação a respeito de algum post, o Facebook publicará um update em seu mural que incluirá vários detalhes sobre o que você esta curtindo. Um “curtir” no Facebook agora conterá uma imagem, um título e uma pequena sinopse junto com a opção de comentário, como já acontece quando um usuário compartilha um link.


Por: Talita Lana - *- BLOG -*

Namastê



O charme da luz de velas.
Numa cachaçaria, no distrito de Sousas, em Campinas/SP.
(clique na foto para ampliar)

“A luz que brilha em mim, saúda a luz que habita em você”



Samara N., no twitter

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Patch Adams - O Amor É Contagioso

Fiquei em dúvida em qual seria o primeiro filme, pois são muitos filmes ótimos, mas este realmente marcou muito minha vida, pois trabalhei em hospitais com um grupo de palhaços também.
Deixo também uma frase que uma enfermeira uma vez me disse: Meu pai queria que eu fosse médica, mas médicos cuidam de doenças e eu quero cuidar de pessoas... Amei.

Então vamos ao que interessa o filme:
Em 1969, após tentar se suicidar, Hunter Adams (Robin Williams) voluntariamente se interna em um sanatório. Ao ajudar outros internos, descobre que deseja ser médico, para poder ajudar as pessoas. Deste modo, sai da instituição e entra na faculdade de medicina. Seus métodos poucos convencionais causam inicialmente espanto, mas aos poucos vai conquistando todos, com exceção do reitor, que quer arrumar um motivo para expulsá-lo, apesar dele ser o primeiro da turma.

Curiosidades
Durante as filmagens, Robin Williams e todo o elenco buscaram ajudar na medida do possível as crianças da Make a Wish Foundation (Fundação Faça um Pedido), que trata de crianças que estão sob tratamento contra câncer. Elas inclusive aparecem em Patch Adams, na cena em que o personagem de Williams visita as crianças no setor pediátrico.

Nota do BAÚ:
Não bastasse a história maravilhosa do filme, desencadeando o amor ao próximo e convidando a reflexão para a pergunta, pacientes? Ou Seres humanos?, ainda temos a excepcional atuação desse que na minha opinião é um dos melhores atores do mundo, Robin Williams, vivendo Hunter "Patch" Adams...

Thiago do Santos, do Blog:
Baú do Thiago

Lua

  • Lápis 2B
  • Tinta Nankin (Acrilex)
  • Pincel Tigre nº 2
  • Lápis Aquarelável (Faber Castel)



Por: Talita Lana - Blog | Twitter

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Pasárgada

Por Julia Bastos
.

"Vou-me embora pra Pasárgada
Aqui eu não sou feliz
Lá a existência é uma aventura"

E a verdade é que a utopia de uma ideal-Pasárgada é parte de todos nós. A vontade da fuga quando a realidade se mostra difícil por demais. É o querer adentrar o mundo das idéias (o tal de Platão), deixando o dos sentidos pra trás. Infelizmente, é o tipo de sentimento que acaba gerando resignação.
O pessimismo, que deveria ser impulso para motivação por fazer algo, por tentativas de mudança, acaba se distorcendo em acomodação diante do que está posto, e não vendo, obviamente, as coisas se transformarem, gera o desejo pela fuga.

Seja isso bom ou ruim, e creio eu que seja bom, a Pasárgada idealizada por Manuel (ou seu eu-lírico, que seja), é inexistente. E, talvez, a real Pasárgada seja o que de fato temos: um "nada de extraordinário". É necessário aprender a lidar com isso. Sem fuga, sem medo, com luta e afinco. Eis aqui, por todos os lados, ela. Não é necessário ir embora...

.

Julia é a cabecinha por trás do Meus Figos
Blogueira, estudante e pessimista nas horas vagas.

Samurai X

  • Tinta Nankin (Acrilex)
  • Pincel Tigre - nº2 e 4
  • Lápis 2B

Por: Talita Lana - Blog | Twitter

Começamos!



Agora é pra valer. A volta do Zine Pasárgada está confirmada, com tudo!

O retorno, à primeira postagem e à proposta de mudar, foi muito positivo e, mais uma vez, confirmei o carinho pelo blog (que agradeço de novo).

Somos até o momento 7 blogueiros, unidos por aqui, autônomos e em grupo.
Aos poucos as caras vão aparecendo e nossa proposta toma corpo!

Então, recomeçamos! Amanhã já tem postagem...e que seja assim por muito tempo.
E, para possíveis futuros interessados, leiam o post anterior e comuniquem-se com a gente!
=)

.
Para marcar esse momento, relembro a primeira postagem do blog, que foi o editorial do Jornal impresso (idéia inicial do Zine), em agosto de 2007:

"O Zine Pasárgada nasceu de uma vontade e de uma necessidade. A vontade era fazer movimento influente e participativo na cultura literária, cinematográfica, quadrinística, musical, entre tantas. Um movimento que chamasse atenção e fosse produtivo e que ao mesmo tempo agradasse aos olhos e aos intelectos.

A necessidade era de fazer o mesmo movimento, mas que nesse processo existisse espaço para incluir “sangue novo”. Para fugir do vício dos espaços que gotejam sempre as mesmas idéias, personagens e opiniões.

Eis então Pasárgada! Um espaço alternativo de divulgação de idéias, pessoas, tendências, estilos, parceiros... Sem pretensão de ser um jornal, sem diminuir a importância de um Fanzine...

Que sejamos todos os protagonistas deste momento."

Amém!

é sempre uma satisfação!